Câncer da próstata: diagnóstico e classificação

Diagnóstico do câncer da próstata

PSA: dosagem por simples amostra de sangue

Além de produzir líquido seminal, a próstata secreta uma molécula chamada antígeno específico da próstata ou PSA. Em geral, considera-se que até 4 ng/ml de PSA no sangue é uma taxa normal. Acima desse nível, o médico solicitará um novo teste para verificar se a taxa de PSA aumenta e, eventualmente, outros exames complementares para determinar a origem da elevação do PSA.
Os testes de PSA geralmente são recomendados a partir de 50 anos. Uma taxa elevada de PSA indicará um problema de funcionamento da próstata, mas não permite diagnosticar um câncer. Para isso é necessário realizar exames complementares.

O toque retal

Esse exame é praticado pelo urologista clínico durante uma simples consulta. O médico apalpará a próstata passando pelo reto. Trata-se de um exame rápido e indolor.

As biópsias da próstata

O exame que permite determinar se um paciente está acometido de câncer da próstata é a biópsia, que consiste em coletar minúsculos fragmentos da próstata e analisá-los em laboratório para estudar os tipos de células contidos nos fragmentos coletados.
Antes do exame, uma lavagem (lavagem do reto com uma solução líquida) é feita e um tratamento antibiótico é administrado ao paciente. O exame dura entre 5 e 15 minutos. Pode ser realizado com anestesia local.
O médico visualizará a próstata por ecografia (sonda ecográfica colocada no reto) e, com uma agulha especial,coletará de 6 a 12 fragmentos da próstata através da parede do reto.

Escore de Gleason

O escore de Gleason é determinado após a análise das biópsias da próstata. As células da próstata podem ser de 5 tipos, sendo o tipo 1 as células normais e o tipo 5 as células em que a evolução cancerosa é a mais avançada. O escore de Gleason é definido observando-se quais tipos de células são as mais presentes e somando-as. O escore vai de 6 a 10 em função da agressividade do câncer, sendo que 10 representa o câncer mais agressivo.


Grau de risco ou de agressividade em função do escore de Gleason:

  • entre 6 e 7: câncer com risco intermediário;
  • entre 8 e 10: câncer com risco elevado.


Geralmente, o escore de Gleason é expresso do seguinte modo: Gleason 7 (3+4).
O primeiro algarismo entre parênteses indica o tipo de células mais presentes nas biópsias e o segundo é o segundo tipo de células mais presentes.

Definição da disseminação

Uma vez que um câncer da próstata é diagnosticado, é necessário completar o diagnóstico por meio de vários exames de imagens que constituem a definição da disseminação. Essa definição permitirá definir com precisão se o câncer está localizado na glândula ou se está disseminado.

O scanner

Esse exame indolor, que dura entre 10 e 15 minutos, permite visualizar de modo bem preciso graças aos raios X na zona de destino, nesse caso, no abdômen e na pelve (scanner abdominopélvico). O scanner permitirá visualizar se o câncer da próstata está contido no interior da glândula ou se atacou a cápsula que envolve a próstata ou as vesículas seminais (glândulas situadas sob a próstata e que produzem o líquido seminal) ou ainda os gânglios linfáticos.

IRM (Imagens por Ressonância Magnética)

As imagens por ressonância magnética (IRM) lembram um scanner, mas utilizam um campo magnético no lugar de raios. Esse exame permite visualizar bem precisamente os tecidos moles e verificar se o câncer atacou outros órgãos.

Cintilografia óssea

Esse exame permite detectar a extensão do câncer da próstata nos ossos. A cintilografia é indolor e consiste em injetar um produto no sangue que ressaltará as eventuais metástases ósseas nas imagens capturadas pelo aparelho.

Diferentes estágios do câncer da próstata

O estágio do câncer determinará, em grande parte, o tipo de tratamento a aplicar. A escala a seguir indica o grau de progressão do câncer da próstata, desde o menor até o mais elevado:
 

Estágios do câncer da próstata: T1, T2, T3, T4

Cânceres localizados:

  • Estágio T1: corresponde a um tumor não percebido ao toque retal. Somente algumas células são cancerosas. O paciente não sente nenhum sintoma da doença.
  • Estágio T2: corresponde a um câncer palpável ao toque retal (presença de uma massa dura) e que parece localizado na célula, em um ou nos dois lóbulos da próstata.

Cânceres avançados:

  • Estágio T3: corresponde a um câncer que se estende para fora da próstata e/ou para as vesículas seminais.
  • Estágio T4: corresponde a um câncer que invadiu os órgãos vizinho da próstata (bexiga, reto etc.).
     

 

 

Last update November 18, 2010.